Arquivo

Archive for fevereiro \27\UTC 2011

Acontece…

fevereiro 27, 2011 Deixe um comentário

Relembrando: Litoral, Mulheres e Carros

Jurere

Anúncios
Categorias:Variedades, Videos

Como funciona o imposto em compras internacionais no Brasil?

fevereiro 24, 2011 Deixe um comentário

 

Entenda quais são os impostos que você paga e quais são as justificativas para que existam tributações nas compras internacionais.

Superphones, tablets com processadores potentes e computadores com configurações de primeira linha. Os consumidores que estão acostumados a acompanhar os últimos lançamentos do mundo tecnológico no Baixaki, muitas vezes ficam desapontados por descobrirem que um determinado produto não será vendido no Brasil ou sequer tem previsão de chegar ao país.

A solução encontrada por muitos é recorrer às lojas internacionais que trabalham com entrega de produtos no Brasil. Embora os preços em dólar ou euro, somados com valores altos de frete, muitas vezes fiquem ainda abaixo dos praticados por muitos produtos vendidos por aqui, existe a probabilidade de sua compra ser tributada atendendo a um decreto do Ministério da Fazenda.

Contudo, muitos usuários, temerosos de pagar um valor que não sabem ao certo qual é sobre uma mercadoria, muitas vezes deixam de fazer as suas compras no exterior.

Embora exista a possibilidade de o produto entrar no país sem que você pague a tributação, entender quais são os impostos que incidem sobre as mercadorias é uma maneira de tornar sua compra mais segura, resultando num valor final que esteja dentro dos seu orçamento.

 

Por que pagamos impostos sobre importação?

Antes que você imagine que pagar tributação sobre um produto importado é algo injusto, é importante analisar por qual razão impostos como esse existem. Basicamente, os impostos que incidem sobre as operações de importação visam proteger o mercado interno brasileiro.

Por exemplo, suponha que você queira comprar um aparelho de celular nos Estados Unidos. Embora o modelo específico recém-lançado por lá ainda não exista aqui, existem modelos similares, com menos recursos, mas que se enquadram na categoria celular, fabricados no Brasil.

Assim, caso todo mundo optasse por comprar apenas no exterior, os produtos brasileiros seriam deixados de lado, gerando prejuízos para os fabricantes nacionais, desaquecimento no mercado interno e, consequentemente, aumento no desemprego. Para que isso não ocorra, ou ao menos possa ser minimizado, o governo regula essas transações tributando os produtos.

Sobre cada categoria de produto incidem impostos distintos. Os mais comuns, no caso das compras pela internet, são o II (Imposto de Importação), IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) e ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).

Entendendo o Regime de Tributação Simplificado

O sistema de tributação nas importações é regulado pelo RTS (Regime de Tributação Simplificada). Graças a esse Decreto-Lei (n° 1804/80), ao fazer compras no exterior cujo valor seja inferior a US$ 500, é aplicado sobre o produto uma alíquota única sobre a mercadoria.

Na prática, o que isso significa? Simples. Some o valor do produto que você comprou com o valor do frete. O percentual da tributação sobre a encomenda é de 60%. Um exemplo: um celular que custe US$ 250 e tenha mais US$ 50 de frete, pode ser tributado em até US$ 180. Todo esse percentual é destinado ao governo federal.

Além disso, alguns estados cobram ICMS sobre a mercadoria. O percentual é variável, indo mesmo da isenção até tarifas de 10% sobre o valor total já com impostos. Voltando ao nosso exemplo: o celular de US$ 250, com frete de US$ 50 e tributação de US$ 180, totalizando US$ 480, se comprado em um estado como a Bahia, que tem uma alíquota de 10% de ICMS, pode chegar a US$ 524.

Algumas mercadorias, contudo, são isentas de tributação: livros, jornais e periódicos, de acordo com o artigo 150 da Constituição Federal, e encomendas enviadas de pessoa física para pessoa física e com valor declarado inferior a US$ 50 não pagam a alíquota de 60%.

É possível escapar da tributação?

Em tese, nenhum produto que se enquadrasse nas características citadas acima deveria escapar da tributação. Entretanto, você já deve conhecer casos de pessoas que compraram pela internet produtos de alto valor e não foram tributadas. Da mesma forma, usuários com compras de preço baixos muitas vezes acabam pagando a tributação, como previsto em lei.

Isso acontece pela seguinte razão: atualmente, o volume de importações realizadas pelos brasileiros é enorme, muito maior do que o número de fiscais disponíveis para avaliar cada uma das encomendas recebidas. Assim, a solução encontrada para que os produtos não se acumulassem nos depósitos da Receita Federal foi a de realizar o processo por amostragem.

Ou seja, de cada grupo de produtos, apenas alguns são analisados e, consequentemente, tributados. Assim, ao menos nesse caso, a sorte pode estar ao seu lado e a sua mercadoria pode chegar a suas mãos sem que seja preciso pagar algum tipo de tributação. Considere como uma bonificação ou uma espécie de desconto do seu orçamento original.

Entretanto, caso sua encomenda seja pega em uma situação como essa, a mercadoria, em vez de ir para a sua casa, irá para a agência dos Correios mais próxima à sua residência. Você receberá uma correspondência informando da tributação e deverá pagá-la, direto nos Correios, para poder retirar seu material.

Conferindo o valor do tributo

Caso o seu produto seja tributado é preciso ficar atento ao valor do imposto a ser pago. A tributação pode ocorrer de duas formas distintas. A mais comum delas é quando a fiscalização se baseia no valor declarado do produto, constante na nota fiscal ou na documentação anexa. Nesse caso o imposto é cobrado sobre o valor declarado.

Contudo, pode ocorrer de o fiscal que analisa a sua mercadoria não concordar com o valor descrito na encomenda. Em casos como esses, ele é autorizado a abrir a sua encomenda e atribuir um novo valor a ela. Sobre esse novo valor é que será calculada a alíquota.

Assim, ao chegar a uma agência do Correio, verifique o valor sobre o qual você está pagando a alíquota. Caso você não concorde, é possível recorrer e pedir revisão dos valores. O mais comum é que, caso você prove o valor da compra, a alíquota cobrada incida mesmo sobre o valor original do produto.

A mesma lógica serve para desmistificar uma característica que se tornou comum entre os importadores ou aqueles que recebem muitas mercadorias do exterior. Muitos afirmam que, caso você declare o produto como gift (presente) essa alíquota acaba não sendo cobrada pela fiscalização. Essa informação não procede.

Caso o fiscal julgue necessário, ele poderá abrir a sua encomenda declarada como gift e atribuir um valor à mercadoria. Da mesma forma, para retirá-la dos Correios você precisará pagar a alíquota ou recorrer. Independente do valor final atribuído, no final das contas, você acabará tendo o produto tributado.

A carga tributária é alta. Vale a pena importar?

A carga tributária que incide sobre os produtos importados pelos brasileiros é alta. Reformas tributárias vêm sendo discutidas há muito tempo no Congresso Nacional e no Senado, mas é pouco provável que tenhamos mudanças significativas nesse cenário ao menos em 2011.

Porém, ainda assim, em muitos casos é válido importar produtos para o Brasil. O primeiro aspecto que você deve levar em consideração é a disponibilidade da mercadoria em questão por aqui. Caso exista um similar nacional, se colocarmos as alíquotas tributárias em um comparativo, é provável que a diferença de preços entre eles seja pouco significativa.

Todavia, produtos que não disponham de concorrentes ou modelos idênticos por aqui, podem opções interessantes de importação. Discos de Blu-ray, aparelhos eletrônicos, itens de coleção e outras mercadorias de produção limitada ou não fabricadas no país são objetos a serem considerados para compra no exterior.

Impostos sobre eletrônicos

Em recente entrevista na Campus Party Brasil 2011, o Ministro das Comunicações Paulo Bernardo declarou que estuda a possibilidade de diminuir a carga tributária sobre os tablets no Brasil. As mudanças na classificação do produto poderiam reduzir em até 30% os preços. Da mesma forma, o projeto Jogo Justo luta pela reclassificação dos games no Brasil, fato que também reduziria os preços praticados no país.

Cada produto tem as suas características específicas e, por isso, cada caso deve ser analisado em separado. O Baixaki já abordou como funcionam os impostos de eletroeletrônicos no Brasil neste artigo e, se você quiser se aprofundar no tema, vale a pena a leitura.

Entretanto, vale lembrar que mesmo aspectos técnicos de tributação ainda suscitam dúvidas entre fiscais, consumidores e juristas. Por isso, o melhor conselho é, antes de efetuar uma compra, fazer o cálculo dos possíveis impostos incidentes sobre o valor máximo possível. Se, ainda assim, a compra valer a pena ou justificar a necessidade, siga em frente sem medo.

Você costuma fazer compras internacionais pela internet com frequência? Já enfrentou algum problema relacionado com a tributação de mercadorias? Participe deixando seus comentários sobre as suas experiências em importações.

Leia mais no Baixaki: http://www.baixaki.com.br/tecnologia/8776-como-funciona-o-imposto-em-compras-internacionais-no-brasil-.htm#ixzz1EvqVmFvS

Categorias:Tutoriais, Variedades

Desativar tela de abertura nos PortableApps

fevereiro 24, 2011 1 comentário

Como desativar tela de abertura nos aplicativos portáteis.

Aplicativos Portáteis (ou PortableApps) são programas de computador que rodam diretamente do pendrive, em diversos computadores diferentes, sem perder as configurações, sem necessidade de instalação e sem afetar em nada a instalação do Windows.

Os mais conhecidos são fornecidos gratuitamente pelo site PortableApps. Estes tem uma tela de abertura, que algumas pessoas (eu incluso) podem achar um pouco inconveniente. Esta tela (também conhecida por Splash Screen) é o que diferencia, pelo menos aparentemente, os aplicativos portáteis, dos aplicativos instalados da maneira tradicional.
Quando possível, eu prefiro rodar aplicativos portáteis ao invés de instalá-los no meu computador. É ótimo para testar novos programas até ter certeza se vale a pena utilizá-los, para facilitar rotinas de backup, migrações entre computadores, entre vários outros motivos.
Se você também adora os aplicativos portáteis , mas não gosta daquela tela de abertura chata, seus problemas acabaram. Pois você pode desabilitar a SplashScreen dos PortableApps e viver feliz para sempre!
Para desativar a exibição da tela de abertura nos aplicativos portáteis, faça o seguinte: Depois do aplicativo instalado, navegue até a pasta \Portable\Other\Source e localize o arquivo que tem exatamente o mesmo nome do arquivo executável do aplicativo portátil, porém com a extensão .INI. Ex: Notepad++Portable.ini:

Disable PortableApps Splash Screen
Localize o arquivo equivalente no seu aplicativo portátil.

Abra o arquivo equivalente do seu aplicativo portátil no bloco de notas, localize a seguinte linha e altere conforme o exemplo abaixo:

DisableSplashScreen=true

Depois de salvar as alterações feitas no arquivo .INI, copie-o para a raiz do aplicativo portátil, junto ao executável principal e está pronto!

Disable PortableApps Splash Screen
Salve uma cópia do arquivo de configuração junto ao executável.

Agora, a tela de abertura não será mais exibida ao abrir o aplicativo, seja diretamente do pendrive, ou copiado para alguma pasta no HD do próprio computador…

Leia mais: Compulsivo

Categorias:Dicas, Soluções, Variedades

Governo alemão abandona o Linux

fevereiro 23, 2011 Deixe um comentário

 

 

Desktops serão migrados para o Windows XP

O Ministério para Assuntos Estrangeiros do governo alemão decidiu abandonar o Linux e planeja migrar seus desktops novamente para o Windows XP.
Em duas ocasiões, o ministério recebeu a certeza por parte da consultoria McKinsey de que o Linux e os softwares de código aberto formavam uma parte perfeitamente adequada de sua estratégia de TI.
Mas parece que isso já não é mais o caso.
McKinsey chegou a destacar algumas áreas que causaram certa preocupação durante seu primeiro estudo em 2009, mas concluiu na época que isto não traria problemas sérios.
Um problema apontado na época estava relacionado com a interoperabilidade dos documentos. A solução proposta foi a atualização para versões mais recentes do OpenOffice.
Já um segundo estudo realizado em 2010 descobriu que uma mudança para um ambiente baseado puramente no Windows custaria caro e daria muito trabalho.
Mas no final do mesmo ano, o comissário Dr. Michael Groß, do departamento de TI do ministério, disse que uma decisão havia sido tomada em agosto de 2010 para que todos os desktops fossem revertidos novamente para o Windows XP em resposta às críticas relacionadas ao grande número de problemas com a interoperabilidade.
E caso você esteja se perguntando o porque da opção pelo Windows XP ao invés do Windows 7, Groß disse que o Windows XP, que completa 10 anos agora em 2011, é “a fundação uniforme para uma futura implantação de um novo sistema usando o Windows 7 e o Office 2010”.


Windows XP: problemas com a interoperabilidade pesaram na
decisão do ministério de voltar para o sistema da Microsoft

baboo.com.br

Categorias:Noticias

A Day Made of Glass… Made possible by Corning.

fevereiro 22, 2011 Deixe um comentário

 

Curiosidades sobre a fortuna de Bill Gates.

fevereiro 21, 2011 Deixe um comentário
 

Elaborar uma lista das pessoas mais ricas do mundo, certamente é uma tarefa das mais difíceis. A revista Forbes  que corre atrás para atualizar e divulgar os nomes dos detentores das maiores fortunas individuais, em 2010, informou que o primeiro lugar pertence ao megaempresário mexicano, Carlos Slim Helu. Seguido do iluminado fundador da Microsolft, Bill Gates. Um brasileiro chamado, Eike Batista, ocupa o 8º lugar na lista. Mas, é o inventor do Windows, o sistema de navegação na Internet mais popular no mundo, quem chama mais a atenção por ser o criador da maior Fundação de caridade do mundo. Cujos maiores doadores são, o próprio Bill e sua esposa, e a terceira pessoa mais rica do mundo, o Sr. Warren Buffett, o Guru de Bill Gates. Além disso, curiosidades sobre a fortuna de Bill Gates, são deveras impressionantes.


Em tradução livre, adaptamos estes fatos curiosos foram originalmente publicadas no site, funzu.com
1 – Bill Gates ganha 250 dólares por segundo, isto é,quase 20 milhões por dia, e 7,8 bilhões de dólares por ano.
2 – Se Ele deixar escapar, ou perder Mil dólares, não vai se preocupar em pegá-los de volta. Pois, durante os quatro segundos que demora para fazer isso, Bill já os ganhou novamente.
3 – O deficit nacional dos EUA é de aproximadamente US$ 5,62 trilhões. Se Bill Gates pagasse a dívida sozinho, terminaria em 10 anos.
4 – Gates, pode doar 15 dólares para cada pessoa no mundo, e ainda lhe sobrariam US$ 5 milhões.
5 – Michael Jordan, um dos atletas mais bem pagos dos EUA, se não beber e não comer, e manter seu rendimento anual de 30 milhões de dólares, Ele terá que esperar 277 anos para se tornar tão rico quanto Bill Gates.
6 – Se Bill Gates fosse um país, seria o 37º país mais rico do mundo.
7- Se todo o dinheiro que Ele tem, fosse trocado em notas de 1 dólar, daria para fazer uma estrada da Terra até a Lua, 14 vezes em ida e volta. Mas, a estrada teria de ser feita sem parar por 1.400 anos, e usar um total de 713 aviões Boing 747 para transportar todo o dinheiro que seria usado.
8 – Bill Gates está com 40 anos. Se supormos que ele viva mais 35 anos, teria que gastar 6,78 milhões de dólares por dia, para acabar com todo seu dinheiro, antes de ir para o céu.
9 – Por último, mas não menos importante: Se os usuários do Windows exigissem 1 dólar para cada vez que seus computadores travassem por causa do Windows, Bill Gates estaria falido em 3 anos!

seuguara.com.br

Categorias:Variedades

Simulador de destruição causada pelo impacto de um asteróide

fevereiro 13, 2011 Deixe um comentário

 

2012 fim do mundo - calculadora de  impacto de asteroide

Simule o final do mundo, na realidade esse é um simulador de destruição causada pelo impacto de um asteróide contra a Terra. Impact Earth calcula on-line e simula os danos e conseqüências que o choque de um asteróide produziria .

Impact Earth.

Fonte: vidasustentavel

Categorias:Variedades